25 de agosto de 2019

Do tango à luta pelos direitos: A força da mulher argentina

Que tal fazermos um tour cultural com o viés feminista?

Caminito. Um bairro ( ou seria um museu a céu aberto?) de Buenos Aires tomado pela influência cultural do tango, uma dança cheia de sensualidade, em que a mulher se destaca. 

Centro: a famosa casa rosada, que é a sede do governo do país. Na sacada, Eva Perón se eternizou ao cantar “Don’t cry for me Argentina”. Evita, ( popularmente conhecida) como primeira-dama, desenvolveu um trabalho intenso, tanto no aspecto político quanto no social. No que diz respeito à política, trabalhou intensamente para obter o voto feminino e foi organizadora e fundadora da ala feminina do movimento peronista. Essa organização se formou recrutando mulheres de diversos setores sociais por todo o país. Uma mulher à frente de seu tempo. 

Puerto Madero: a ponte da mulher, que pretende representar um casal dançando tango. O mastro representa o homem, que segura por meio de cordas a curvatura central que simboliza a mulher, num passo típico da dança declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco.

E ao fundo, os antigos armazéns de grãos ganharam o toque artístico da americana, Bárbara Kruger, reconhecida mundialmente pelo ativismo feminista.  A obra sem título, tem como tema: “No puedes vivir sin nosotras”. A artista define  que o trabalho envolve idéias de poder, propriedade, raça, sexualidade, crenças, dúvidas, gênero e dinheiro, entre outros. Na inauguração em setembro de 2018, ela reforçou a consciência da luta da mulher  de retomar o controle do corpo de um conjunto de leis que trabalharam para marginalizá-la e excluí-la.

Em 2019, o movimento “Ni una menos” ( nenhuma a menos) completou 4 anos e tem como objetivo combater as mais diversas formas de discriminação de gênero. No ano passado, de acordo com dados oficiais, 278 mulheres foram assassinadas, vítimas da violência doméstica, do machismo e do preconceitoA legalização do aborto também é defendido pelo grupo. 

Apenas como comparação, no Brasil, temos cerca de 5000 mortes de mulheres registradas por ano. Sim, 5000! Só que ainda estamos muito além da luta e garra demostradas pelas argentinas para combater isso.

Na Agricultura, o cenário de discriminação não é diferente. A mulher timidamente tenta conquistar seu espaço. Em países como Brasil e Argentina, o fato de ser “mulher” ainda é um fator excludente. Em levantamento da Corteva AgriscienceTM, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais disseram que a disparidade financeira; falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. Até a linha de crédito é menor para as mulheres que são donas de propriedades rurais, apontou a pesquisa que entrevistou mais de 4100 mulheres em 17 países. 

Qual o próximo passo? 

A Argentina é um exemplo para o Brasil em termos de luta da mulher por seus direitos: seja em mensagens subliminares, como nos pontos turísticos, na arte, e até nas mobilizações nas ruas ou no campo. Em cada canto, elas demonstram que são resilientes e que juntas são mais fortes. E fazem a diferença. Avante, Brasil! Que o nosso samba tenha um toque de tango!

( Opiniões expressadas neste artigo refletem apenas a visão da autora, sem nenhuma relação com empresa nenhuma) 

Roberta Paffaro

E-mail: robertapaffaro@gmail.com
Linkedin: Roberta Paffaro
Instagram: robertapaffaro

 

Saiba mais sobre Roberta Paffaro, clique aqui

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *