3 de julho de 2022

Por que apoiamos a liderança das mulheres?

Conheça algumas mulheres líderes inspiradoras que estão trazendo mudanças duradouras para suas comunidades, com o apoio das Nações Unidas

Os dados são claros. Apesar do maior envolvimento das mulheres em funções públicas de tomada de decisão, a igualdade está longe: as mulheres ocupam cerca de 21% dos cargos ministeriais em todo o mundo, apenas três países têm 50% ou mais mulheres no parlamento e 22 países são chefiados por uma mulher. No atual ritmo de progresso, a igualdade de gênero não será alcançada entre as Chefias de Governo até 2150.

Além do mais, a violência contra as mulheres na vida pública é generalizada. Mulheres em funções de liderança lutam contra a falta de acesso a financiamento, ódio e violência online e normas discriminatórias e políticas de exclusão, que tornam a ascensão na hierarquia ainda mais difícil.

Mesmo assim, as mulheres persistem e continuam a provar que, quando lideram, trazem mudanças transformadoras a comunidades inteiras e ao mundo em geral.

Liderança feminista inclusiva e diversa é a chave para o desenvolvimento internacional sustentável enquanto o mundo continua a enfrentar desafios urgentes – da pandemia COVID-19 às mudanças climáticas, aprofundamento das desigualdades, conflitos e retrocessos democráticos. As Nações Unidas estão trabalhando em todo o mundo para permitir que mais mulheres ocupem seus lugares de direito nas mesas de tomada de decisão.

Aqui estão as vozes de apenas sete mulheres e meninas que, com o apoio da ONU, lideraram processos transformativos que estão criando mudanças.

Mayerlín Vergara Pérez defende os direitos das crianças e adolescentes sobreviventes de exploração sexual na Colômbia


Mayerlin Vergara Perez, fotografada na praia de Riohacha, La Guajira, Colômbia
Foto: ACNUR/Nicolo Filippo Rosso

Mayerlín Vergara Pérez dorme com o telefone no travesseiro. Como diretora de um lar para dezenas de crianças e adolescentes que sobreviveram à violência e exploração sexual em Riohacha, na fronteira leste da Colômbia com a Venezuela, ela nunca sabe quando pode ser chamada para resolver uma crise.

“A violência sexual quase destruiu sua capacidade de sonhar. Roubou seus sorrisos e os encheu de dor, angústia e ansiedade”, disse Pérez, uma mulher vibrante de 45 anos. “A dor é tão profunda e o vazio emocional que elas sentem é tão profundo que simplesmente não querem viver.”

Ao longo de uma carreira que ela considera uma vocação, Pérez assistiu centenas das cerca de 22.000 crianças e adolescentes que a ONG colombiana Fundación Renacer (ou “Fundação Renascimento”) atendeu desde sua fundação, há 32 anos.

Em reconhecimento ao seu trabalho, o ACNUR nomeou Pérez como laureada do Prêmio Nansen Refugiado de 2020, um prestigioso prêmio anual que homenageia pessoas que fizeram de tudo para apoiar pessoas deslocadas à força e apátridas.

“Para mim, o prêmio representa uma oportunidade para meninas e meninos”, disse Pérez, acrescentando que espera que mostre que “é possível que sobreviventes de violência sexual mudem suas vidas e empreendam projetos de vida que sejam positivos para eles, para suas famílias e para a sociedade”.

Leia mais sobre o trabalho de Pérez nesta história do ACNUR.

 

Elena Crasmari, a única mulher em seu conselho local na Moldávia

Elena Crasmari, que está no centro médico de sua aldeia, concorreu a vereadora local como candidata independente
Foto: ONU Mulheres/Tara Milutis

Elena Crasmari, de 35 anos, estava farta de não poder acessar o centro médico em seu vilarejo de Dolna, uma comunidade rural de 1.155 pessoas na Moldávia. Ela não podia subir escadas e teve que se apoiar nas mãos e nos joelhos para entrar no prédio, por causa de sua deficiência.

“Fui à prefeitura pedir que me ajudassem a fazer alguma coisa a respeito das escadas do posto médico”, lembra Crasmari. “O prefeito me entregou um saco de cimento e um pouco de areia e disse que eu precisava fazer isso sozinha. Depois disso, decidi me candidatar”.

Crasmari aprendeu novas habilidades e ganhou mais confiança ao participar das sessões de treinamento sobre a participação política das mulheres e engajamento cívico apoiado pela ONU Mulheres e seus parceiros. Ela construiu uma campanha eleitoral de base bem-sucedida e concorreu a vereadora local como candidata independente.

“Eu queria dar o primeiro passo para provar que as pessoas com deficiência têm uma chance… As pessoas precisam saber que temos direitos iguais, não apenas na teoria, mas também na prática.”

As mulheres representam apenas 25% dos parlamentares, 22% dos prefeitos e 27% dos vereadores distritais na Moldávia. Hoje, Crasmari é a única mulher em uma equipe de nove pessoas, como vereadora local. Desde que foi eleita, um de seus primeiros projetos foi reformar o centro médico da vila.

“Também espero ser capaz de tornar todas as instituições do estado – incluindo nosso museu, o jardim de infância e a prefeitura – acessíveis às pessoas com deficiência”, diz Crasmari, “e às mães com filhos pequenos e idosos que vêm e receber suas pensões. ”

Leia mais sobre a  história de Crasmari no site da ONU Mulheres.

 

Amina Mirsakiyeva abre caminho para mulheres na ciência no Cazaquistão

Amina Mirsakiyeva
Foto: Polina Selivanova

“Quebrei o sistema”, diz Amina Mirsakiyeva, pesquisadora da Carl Zeiss AG, maior fabricante de sistemas ópticos do mundo.

Sua jornada para uma carreira em química não foi fácil em seu país natal, Cazaquistão, onde ser cientista tem pouco prestígio e espera-se que as mulheres optem por sair de suas carreiras para começar e cuidar de suas famílias.

Ainda não pronta para escolher entre seus estudos e começar uma família, Mirsakiyeva decidiu se inscrever para um programa de doutorado em química na Suécia e deixou o Cazaquistão em 2012.

Agora com sede em Stuttgart, Alemanha, Mirsakiyeva traça seu caminho para apoiar redes como seus pais, colegas e amigos ao longo de sua carreira, e ela quer pavimentar o caminho para outras mulheres como ela.

“Todas as minhas atividades sociais visam apoiar as mulheres e ajudar a inspirar o maior número de pessoas possível”, diz ela.

Mirsakiyeva criou uma rede para mulheres cientistas do Cazaquistão, para aumentar o reconhecimento e o respeito pela carreira científica em seu país e para normalizar a imagem de meninas e mulheres na ciência. Ela também organiza encontros no café da manhã para empresárias e imigrantes. Mirsakiyeva acredita que a ciência pertence a todos e criou um podcast para explicar os conceitos científicos de maneiras acessíveis.

Mirsakiyeva também conta sua história na nova  plataforma online regional do PNUD para igualdade de gênero em STEM (Ciência, Matemática e Engenharia, na sigla em Inglês) na Europa e Ásia Central para incentivar mulheres e meninas a seguir carreiras em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Leia mais sobre ela nesta história do PNUD.

 

Rebecca Chepkateke responsabiliza autoridades em Uganda

Rebecca Chepkateke (centro) senta-se com mulheres da aldeia Ashiokaniana
Foto: NAWOU/Fionah Barbra

“Mwana muke hana haki yake! Mwana muke hana haki yake ”, diz Rebecca Chepkateke com angústia. É uma expressão Kiswahili que significa “as mulheres não têm direitos”. Ela já ouviu essa frase repetida muitas vezes para mulheres que tentam denunciar a violência de gênero aos líderes comunitários.

Chepkateke é a presidenta da Karita Women’s Network, uma coalizão formada pela “Women Networks for Gender Equality” (Rede das Mulheres pela Igualdade de Gênero, tradução livre), apoiada pela Iniciativa Spotlight da União Europeia e Nações Unidas e pelo projeto de Empoderamento das Mulheres no distrito de Amudat, no norte de Uganda. Ela foi eleita para o papel por sete grupos de mulheres que se reuniram para fortalecer a defesa das mulheres em seus respectivos vilarejos.

Chepkateke fornece um elo crítico entre as mulheres que sofrem violência e justiça e os serviços de saúde. Seu trabalho abrange uma ampla gama de apoio, desde ajudar as mulheres a denunciar o agressor – e garantir que o caso não seja arquivado pela polícia – até ajudar mulheres em regiões isoladas a dar à luz com segurança, conectando-as com uma enfermeira da equipe de saúde da aldeia.

A liderança de ativistas populares como Chepkateke é especialmente importante durante a pandemia, quando as desigualdades de gênero pioraram.

“As mulheres foram as que mais sofreram durante este período”, diz Chepkateke. “Com o fechamento dos mercados e a proibição do transporte público, eles não tinham como vender seus produtos ou conduzir seus negócios…  A violência doméstica aumentou tremendamente.”

Chepkateke espera levar sua campanha pela igualdade ainda mais longe, tornando-se mulher conselheira no sub-condado de Karita, uma posição que a ajudaria a fortalecer a legislação que protege as mulheres da violência.

Leia mais sobre o trabalho de Chepkateke apoiado pela  Iniciativa Spotlight União Europeia e Nações Unidas.

 

Belen Perugachi, uma adolescente conselheira do Equador

Belen Perugachi passeia pelo jardim de sua família
Foto: UNICEF/Santiago Arcos

Belen Perugachi tinha apenas 12 anos quando decidiu se tornar uma defensora dos direitos indígenas ao ingressar no Grupo de Crianças e Adolescentes de Pueblo Kayambi, no Equador.

Aos 16 anos, ela é o membro mais jovem do Conselho de Proteção de Direitos do Município de Cayambe. Sua ascensão a vice-presidenta do Conselho em 2019 marcou a primeira vez que um adolescente foi eleito para o cargo.

“Quero que as pessoas nas áreas rurais tenham as mesmas oportunidades que as pessoas nas cidades”, diz ela. “Eu imagino um mundo com respeito por culturas diferentes, com respeito por homens e mulheres … Eu sonho com equidade.”

Na comunidade rural de Paquiestancia, a agricultura e a pecuária constituem a principal fonte de renda de muitas famílias. Portanto, quando a pandemia de COVID-19 atingiu e o mercado principal fechou em Cayambe, Perugachi e seu grupo de jovens aumentaram, abrindo um novo mercado para apoiar as mulheres e suas famílias.

Perugachi visa preservar mais do que a economia local; ela defende os direitos indígenas no cenário internacional. Em 2018, ela viajou ao Chile para a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

“Minha participação enviou uma mensagem para meninas indígenas como eu na América Latina”, diz ela. “Eu disse a elas que lutassem por seus direitos e se sentissem orgulhosas de suas tradições”.

Inspire-se com mais meninas liderando mudanças nesta história da UNICEF.

 

Kelsang Tshomo apoia mulheres condutoras de ônibus para acabar a violência no Butão

A condutora de ônibus Kelsang Tshomo está ajudando a acabar com a violência de gênero entre seus colegas e passageiros em Thimpu, Butão
Foto: UNFPA Butão/Sunita Giri

Quando os relatos de violência doméstica aumentaram durante o bloqueio do COVID-19 na primavera passada, a condutora de ônibus Kelsang Tshomo visitava amigos e colegas na capital do Butão, Thimpu, a cada poucos dias para se certificar de que eles estavam bem e fornecia informações se precisassem de ajuda. Tshomo aprendeu sobre prevenção e resposta à violência baseada em gênero em uma sessão de informação conduzida pelo UNFPA e seu parceiro sem fins lucrativos RENEW (Respeitar, Educar, Cuidar e Empoderar Mulheres), que a inspirou a se tornar uma agente de mudança em sua comunidade.

“O treinamento do UNFPA me fez perceber que qualquer forma de abuso – verbal, emocional, sexual ou físico – não é aceitável”, disse Tshomo, que também é conselheira de uma equipe de 87 condutores e motoristas da Thimpu City Bus Services.

Em sua função de conselheira, ela aconselha seus colegas sobre como relatar casos e acessar apoio psicossocial. “Colegas, alguns dos quais viveram vidas subjugadas com medo de seus maridos, agora estão confiantes e se envolvem em discussões”.

Esses condutores de ônibus e motoristas recentemente capacitados, sensibilizados para detectar e diminuir o abuso e o assédio entre os passageiros, juntam-se a ela enquanto ela leva sua defesa às ruas. Até agora, a parceria do UNFPA com a empresa de ônibus treinou 25 condutores e motoristas na prevenção da violência baseada em gênero, com planos de expansão para mais 20 ônibus.

“Para realizar uma mudança real, as mulheres devem fornecer umas às outras o espaço para compartilhar, aprender e crescer juntas”, diz Tshomo. “Mulheres apoiando mulheres é crucial para garantir uma sociedade segura, igualitária e feliz para homens e mulheres.”

Leia mais sobre o trabalho de Tshomo nesta  história do UNFPA.

 

Editar Ochieng, uma sobrevivente mudando a narrativa sobre a violência sexual no Quênia

Editar Ochieng
Foto cortesia de Editar Ochieng

Quando era uma menina de seis anos, Editar Ochieng foi abusada sexualmente. Aos 16 anos, ela foi estuprada por uma gangue.

Ochieng cresceu em Kibera, o maior assentamento informal na capital do Quênia, Nairóbi, onde a violência sexual e baseada no gênero é um problema endêmico e generalizado. Ela foi exacerbada ainda mais na pandemia de COVID-19, com bloqueios, criando mais estresse familiar e financeiro.

Quando ela tinha 26 anos, Ochieng fundou o Centro Feminista pelos Direitos e Justiça pela Paz em Kibera, uma organização que apoia sobreviventes de violência sexual e outras formas de violência na comunidade.

Em um ponto durante a pandemia, Ochieng sozinha estava recebendo até 10 ligações de vítimas de violência por dia.

Citar números, entretanto, não é suficiente para Ochieng. Para ela, uma mulher abusada é uma mulher a mais e é obrigação de todos os que têm a capacidade de fazê-lo, defender seus direitos e garantir que o status quo seja “rompido”.

Em 2020, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos e a ONU Mulheres – sob um projeto chamado Let It Not Happen Again (“Não deixe acontecer de novo”) – forneceram apoio a Ochieng e outros defensores e defensoras dos direitos humanos para melhor responder e apoiar sobreviventes de violência de gênero para relatar à polícia, acesso a serviços médicos psicossociais e segurança.

Ochieng diz que a educação e o treinamento deram a ela o poder, como feminista, de olhar para os desafios e transcendê-los.

“Quando você é uma líder, você está mudando a narrativa”, diz ela. “Precisamos treinar nossas meninas sobre a importância da educação. Precisamos recuperar nosso poder para criar uma geração diferente que entenda que existe poder, mas que você pode controlar”.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos está apresentando Editar Ochieng, bem como outras mulheres líderes de direitos humanos, na  campanha #IStandWithHer (“Eu estou com ela”,).

Fonte: ONU Mulheres Brasil

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clique na imagem e garanta o seu!

Categorias

Clique na imagem e garanta o seu!

Categorias